Cursos presenciais

O Esperanto é ensinado e praticado em diversas cidades em Pernambuco.

Congressos Brasileiros

Um dos melhores congressos esperantistas do mundo é o brasileiro!

O congresso de 2015 foi no Rio de Janeiro.
Veja como foi na página da Liga Brasileira de Esperanto

Cursos presenciais

O Esperanto é ensinado e praticado em diversas cidades em Pernambuco.

RocketTheme

Nossa História

De 1937 aos dias atuais, muito há para se contar.

 

RocketTheme

Literatura

Muito para se ler, muito para se deleitar.

Movimento Esperantista

Movimento

Nós procuramos ajudar a mover o mundo!

 

Vídeos

Vídeos

Seleção de alguns vídeos interessantes. Sempre em atualização.

Esperanto, muito mais que uma língua. Um modo de viver o mundo no qual a comunicação se processa de uma forma mais justa, igualitária e humana.

Viva essa experiência!

Jul 17 2018

Este ano, o 53º Congresso Brasileiro de Esperanto ocorreu em Curitiba. Pernambuco teve participação que não se via há décadas, contando com seis esperantistas, a grande maioria composta especialmente  por jovens. Por causa disso, pedimos para um deles escrever suas impressões sobre o maior evento esperantista do Brasil.

 

Pedimos para Filipe dos Santos, esperantista de Serra Talhada e congressista, dar suas impressões sobre o evento e sobre sua experiência no congresso. Você pode conferir seu texto a seguir:

Eu me chamo Filipe dos Santos, esperantista desde dezembro de 2017, e membro da Associação Pernambucana de Esperanto. Embora esperantista de curta data, graças ao esperanto eu pude vivenciar grandes momentos, e ter oportunidades que jamais teria fora da Língua Internacional.

Entre os dias 31 de maio, e 03 de junho, na capital do Paraná, Curitiba, ocorreu o 53° Congresso Brasileiro de Esperanto, e o 38° Congresso da Juventude Esperantista, e eu pude ter minha viagem subvenciada pelas Associações Pernambucana e Potiguar de Esperanto, pois estas reconheceram meu interesse pelo aprendizado e divulgação da língua na minha região.

Essa foi a minha primeira viagem para um local tão distante, no Sul do Brasil. Lá eu vivi momentos, e conheci pessoas que jamais poderia imaginar, os grandes nomes do Esperanto no Brasil estavam lá e pude ter a honra de conhece-los.

Um dos principais motivos pelos quais eu quis ensinar o Esperanto em Serra Talhada, foi para poder encontrar novos jovens para o movimento, pois segundo o meu ver (na época), o movimento estava ocupado, em sua maioria, por pessoas de idades mais avançadas. Porém, em Curitiba minha visão mudou, pois lá eu vi a força da juventude Esperantista no Brasil, não só em número de membros, mas também pelas potencialidades de cada um deles.

Quando tudo estava pronto para a viagem, eu comecei a cogitar muitas coisas acerca do evento: será que eu vou conseguir me integrar bem com o pessoal? Será que vou encontrar algum tipo de preconceito por ser nordestino? Entre outros questionamentos. Mas pouco a pouco, os outros participantes foram tirando essas abobrinhas de minha cabeça, e me surpreendendo positivamente a cada contato.

Eu e Querino Neto (Alagoas) fomos uns dos primeiros a chegar no alojamento, e pouco a pouco fomos recebendo os mais de 40 jovens que se instalaram lá. O local foi ficando cada vez mais cheio, com uma variabilidade de sotaques e culturas cada vez maior. Ouso dizer que o alojamento foi uma das partes mais importantes desse congresso para mim, pois lá, com conversas descontraídas e informais, eu pude aprender muito sobre o nosso país. De cultura Amazônica à gastronomia gaúcha, eu pude conhecer lá. Isso sem contar nos laços de amizades criados, pois a atmosfera da juventude esperantista é algo que só quem vive consegue compreender.

O local do evento era lindo, enorme, com pinturas gigantes mostrando aspectos históricos do Brasil, como por exemplo a vinda dos portugueses, e a escravatura. Pessoas de vários locais do Sul expuseram suas comidas típicas, seus livros e histórias, suas vestimentas, artesanatos, e muito mais. Isso sem falar das apresentações artísticas, com danças típicas de vários países do mundo. Foi de fato algo de impressionar.

Tem que se elogiar também a programação do Congresso, onde os conteúdos eram muito diversificados, de discussões de assuntos polêmicos, à cultura e filosofia da Romênia, foi uma reunião de conhecimentos do mundo, seja em questões didáticas para o aprendizado de novas línguas, até questões de teor mais científico.

Durante as palestras, tão próprias e diversificadas, eu pude perceber uma excelente virtude do movimento esperantista, todo mundo tem voz, o conhecimento de cada membro é muito importante e valorizado pelo movimento no geral.

Conforme o tempo se encaminha, e o encerramento se aproxima, é notório o sentimento de saudade que se instala nos participantes, mesmo antes de acabar o evento nós já sentíamos a falta, pois sabíamos que demoraria um ano para o nosso próximo Congresso Brasileiro, mas com isso o sentimento e vontade de disseminar a Língua Internacional só aumenta, para que nas próximas oportunidades mais pessoas possam sentir de verdade o que é ser Esperantista, o que é ser um cidadão não de uma nação, mas sim do mundo.

Esperantistas de Pernambuco: Filipe dos Santos, Wendel Pontes e Vinício de Assis (em pé, da esquerda para a direita), Marton Paulo, Marcionilo Vasconcelos e Bruno (agachados, da esquerda para a direita)

Foto dos congressistas no final do evento