Cursos presenciais

O Esperanto é ensinado e praticado em diversas cidades em Pernambuco.

Congressos Brasileiros

Um dos melhores congressos esperantistas do mundo é o brasileiro!

O congresso de 2015 foi no Rio de Janeiro.
Veja como foi na página da Liga Brasileira de Esperanto

Cursos presenciais

O Esperanto é ensinado e praticado em diversas cidades em Pernambuco.

RocketTheme

Nossa História

De 1937 aos dias atuais, muito há para se contar.

 

RocketTheme

Literatura

Muito para se ler, muito para se deleitar.

Movimento Esperantista

Movimento

Nós procuramos ajudar a mover o mundo!

 

Vídeos

Vídeos

Seleção de alguns vídeos interessantes. Sempre em atualização.

Esperanto, muito mais que uma língua. Um modo de viver o mundo no qual a comunicação se processa de uma forma mais justa, igualitária e humana.

Viva essa experiência!

Set 02 2014

Em agosto, o movimento esperantista perdeu um profundo conhecedor do idioma, e um grande expoente do esperanto em Pernambuco. Jannes Markus Mabesoone foi geólogo, professor da UFPE e um grande conhecedor do esperanto e de sua história, tendo contribuído significativamente para as atividades da APE durante décadas. 

Entre 1949 e 1956, fez sua graduação em Geografia Física pela Universidade de Amsterdam (Holanda). E de 1956 a 1959, cursou o Doutorado em Sedimentologia na Universidade de Leiden (Holanda), estudando a sedimentação terciária e quaternária do norte da Espanha, na região da Palência.

Como poliglota, falava sete idiomas. Além da língua materna, o holandês, Mabesoone dominava ainda o português, o inglês, o alemão, o francês, o espanhol e o Esperanto, pelo qual nutria especial carinho.

   Transferindo-se para o Brasil, vinculou-se à Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) no ano de 1963, pelo ainda então recente Departamento de Geologia (criado em 1957). Teve papel preponderante na formação dos geólogos pioneiros do Estado de Pernambuco, porquanto ministrou diversas disciplinas da grade curricular: Sedimentologia Avançada, Petrografia Sedimentar, Análise de Bacias Sedimentares, Geomorfologia, Geologia do Quaternário e Paleoclimatologia. Aposentou-se em 1995, na condição de Professor Titular da UFPE.

   Esperantista ao chegar ao Brasil, logo integrou-se aos quadros da Associação Pernambucana de Esperanto. Entre 1987 e 1989, foi vice-presidente da APE e redator do órgão oficial da entidade, o Pernambuco Esperantista. Em 1991, torna-se presidente da Associação, permanecendo no cargo até 1992. Ajudou financeiramente a Associação, permitindo que a mesma pudesse adquirir uma sede própria em 1994. Foi colaborador constante para os verbetes de Geologia e Geografia do Plena Ilustrita Vortaro de Esperanto. Participante assíduo de eventos esperantistas nacionais e internacionais. É destacada sua contribuição para a disseminação do esperanto em meio científico, através da publicação de artigos e textos sobre Geologia na língua internacional.

Em 1987, por ocasião do centenário da Língua Internacional, fez sair a lume o sétimo volume da Revista Geologio Internacia (Geologia Internacional), sob os auspícios da Associação Pernambucana de Esperanto e do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco. A edição de 95 páginas se compunha de oito artigos elaborados por pesquisadores de sete nacionalidades, sendo dois deles de Mabesoone: Resuma Historio de la Tero (História Resumida da Terra) e Geologia Historio de Brazilo (História Geológica do Brasil).

Colaborou durante anos com este periódico, escrevendo para ele numerosos outros trabalhos: Formiĝo de maraj kalkoŝtonoj em tropikaj akvoj: ekzemplo de Nordorienta Brazilo (Formação de carbonatos marinhos em águas tropicais: exemplo do Nordeste do Brasil – Volume 1, 1968); Demetiĝamedio de la paleo- ĝis mezozoikaj sedimentoj em la baseno Piauí-Maranhão, Brazilo (Ambiente de remoção de sedimentos paleozoicos a mesozoicos na Bacia Piauí-Maranhão, Brasil – Volume 2, 1972); Kenozoikaj deponiĝ-sistemoj em la Nordorienta Brazilo (Sistemas deposicionais cenozoicos do Nordeste do Brasil – Volume 5, 1984); Kvaternaro em tropika Brazilo (O Quaternário no Brasil tropical – Volume 6, 1987); Nordorienta Brazilo kaj la malfermiĝo de Atlantika oceano (O Nordeste do Brasil e a abertura do oceano Atlântico – Volume 8, 1990); Cikleco em la geologia evoluado de la Tero (Ciclicidade na evolução geológica da Terra – Volume 10, 2007).

Em 1976, recebeu o Prêmio José Bonifácio de Andrada e Silva, a mais alta homenagem conferida pela Sociedade Brasileira de Geologia, cujo objetivo é condecorar geocientistas que tenham contribuído para o desenvolvimento e avanço do conhecimento geológico por meio de atividades de pesquisa e liderança científica.

Em 1981, foi condecorado com a medalha dos 30 anos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o antigo Conselho Nacional de Pesquisa.

E por sua extensa contribuição à consolidação do Movimento Esperantista em Pernambuco e à divulgação da Língua Internacional no Estado, Jannes Markus Mabesoone recebeu, em 2013, o Prêmio Methódio Maranhão, da Associação Pernambucana de Esperanto, durante solenidade no 3º Simpósio Pernambucano de Esperanto, representado na ocasião pelo Prof. Luiz Márcio de Oliveira Assunção.

 A associação Pernambucana de Esperanto tem uma dívida eterna com Mabesoone, que sempre constará como um dos mais profundos conhecedores do Esperanto que o Brasil já teve.